A notícia acontece, a gente informa

Casos do saudoso Araguaia Esporte Clube, (Pantera do Leste) time de futebol de Alto Araguaia – MT


N° 03

Casos do saudoso Araguaia Esporte Clube, (Pantera do Leste) time de futebol de Alto Araguaia – MT

Apresentação de Milton Pessoa Morbeck Filho

Do livro: Folclore do futebol de Mato Grosso

Autor: Nelson Severino

 

Araguaia Esporte Clube (Pantera do Leste). Em pé da esquerda para a direita: Nególa, Silvio Maia, Beltran, ……, Inhamber, Piérre, Pedro Lima, Chico Amarildo. Agachados da esquerda para a direita: Cabinho, Euzonete, Delvi, Wilsinho, ………, Dr. Otair, Enio

Time de Magistrados

 

“ Vim lhes avisar que de agora em diante eu vou anular todos os gols que vocês marcarem e se alguém reclamar, mando para fora do campo. Respeitem o homem, pelo menos isso! Fui bem claro?…”

A advertência, em tom ameaçador, foi feita pelo árbitro Henrique Peixoto no intervalo do amistoso que o Araguaia Esporte Clube disputava com o time de Paranaíba – Hoje Mato Grosso do Sul – e cujo placar ao final do 1° tempo apontava a vitória dos alto-araguaienses por 10×0.

O “homem” a quem o juiz Henrique Peixoto se referia era o governador Pedro Pedrossian que estava visitando Alto Araguaia e foi ao campo assistir ao jogo. Pedrossian inclusive deu o pontapé inicial do amistoso.

Para os defensores do “Pantera do Leste” o jogo com o time de Paranaíba era um amistoso qualquer. Mas os jogadores ficaram com muita raiva quando os integrantes da equipe visitante, que haviam chegado à cidade sábado bem cedo, passaram a circular pela pequena Alto Araguaia exibindo um belo uniforme e cheios de gingas e poses, certos de que o jogo seria uma moleza…

A raiva dos alto-araguaienses foi levada para o campo e transfor-mada num massacre. Do time visitante, só dois jogadores pegavam na bola: o goleiro para devolvê-la ao centro do campo e o centroavante para dar nova saída…

Os dirigentes e os jogadores do AEC sabiam que Henrique Peixoto cumpriria mesmo as promessas. E aí o técnico alviverde trocou uns cinco ou seis jogadores, colocando juvenis no lugar dos titulares. Mesmo com a ameaça do juiz, os garotos, loucos para terem uma chance na equipe principal, marcaram mais dois gols que Henrique Peixoto não teve como anular. O jogo terminou com vitória do time da casa por 12×1.

Raiva á parte, o massacre do AEC foi mesmo uma descortesia contra a equipe de Paranaíba. Um bom tempo antes do jogo em Alto Araguaia, o “Pantera do Leste” tinha ido jogar em Paranaiba e o clube da casa fez o que pode para agradar aos visitantes. Inclusive promoveu um baile em homenagem aos alto-araguaienses, que no dia seguinte não levaram em conta a hospitalidade e ganharam o jogo por 2×0, embora tenham ficado no bailão até as três horas da madrugada.

O “Pantera do Leste” chegou a Paranaíba no sábado à tarde. O baile provocou uma grande agitação na cidade, porque logo que a delegação chegou a Paranaiba correu a notícia que o time tinha um jogador que era juiz de Direito em Alto Araguaia. Para os Paranaíbanos era uma grande honra conviver com uma autoridade tão respeitada.

Era verdade: o juiz de Direito se chamava Dr. Otair Bandeira, conhecido também pelo apelido de Ica. No entanto, para deixar o magistrado-boleiro mais à vontade ficou combinado entre todo mundo que ninguém revelaria quem era Ica. Alem disso, ele precisava ficar no anonimato até por questão de segurança naqueles tempos do tresoitão muito em voga em Mato Grosso…

E ficou mesmo. Até porque muita gente aproveitou o baile em Paranaíba para desfrutar de uns momentos de glória, de bajulação, de tratamento especial. Tanto é que a certa altura do baile uma bela jovem estrilou: “Pombas, Já dancei com uns dez jogadores de Alto Araguaia e cada um diz que o doutor juiz é ele…”

 

Alto Araguaia, 05 de Julho de 2018.

 

Milton Pessoa Morbeck Filho


// Você deve estar logado com seu perfil no Facebook para comentar. Este espaço visa promover um bom debate sobre o assunto tratado. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que firam a ética e a moral podem ser excluídos.
Participe!