A notícia acontece, a gente informa

Em comemoração aos 80 anos de Alto Araguaia, ACEAIA faz homenagem à história do comércio em desfile


O Desfile Cívico de comemoração aos 80 anos de emancipação política e administrativa de Alto Araguaia aconteceu na sexta-feira (26), na Avenida Carlos Hugueney. A Associação Comercial e Empresarial de Alto Araguaia (ACEAIA) participou da cerimonia homenageando alguns comerciantes que começaram suas atividades na cidade.

Em comemoração aos 80 anos de Alto Araguaia, ACEAIA faz homenagem à história do comércio em desfile

Além da associação, várias instituições fizeram homenagem ao município abordando temas da história da cidade em cartazes, faixas e carros alegóricos. Prestigiaram o desfile cerca de quatro mil pessoas que logo depois foram servidos com um bolo de aniversário de 80 metros e presenciaram o sorteio do IPTU premiado, na qual tinha como prêmio principal uma moto zero km.

Confira a nossa homenagem:

Como a história consiste em contar uma história, neste momento oportuno de 80 anos de emancipação política do município de Alto Araguaia, a ACEAIA tem a honra de relembrar alguns comércios que contribuíram para o desenvolvimento da cidade. 

Bem antes de sua fundação em 26 de outubro de 1938, já tinham comerciantes que desbravavam a economia na região por meio de negociações nos garimpos da década de 20, ainda quando Alto Araguaia e Santa Rita do Araguaia eram uma só.

Desenvolvendo a atividade rural, fazendeiros começaram a investir na pecuária, incentivando assim, o surgimento dos primeiros comércios no município.

A partir de 1910, a família Salgueiro foram os primeiros a fomentar o comércio de Alto Araguaia e Santa Rita do Araguaia, na época em que os dois municípios ainda não eram divididos. Em seu comércio a família que comercializavam sal, arames, alimentos e produtos da agricultura e pecuária. Para a comercialização de seus produtos na região, a família buscava tais mercadorias em Coxim, Mato Grosso do Sul, em uma viagem de carro de boi que demorava até 60 dias.

Logo depois, surgiram outros comerciantes que acreditaram na região…

Na década de 20 a Casa Pernambucana da família Carvalhinho

A cerâmica, Dimas Gomes e Filho, do proprietário senhor “Pelichinho”, como a primeira da cidade na fabricação de telhas na década de 40.

Seu Caio Hugueney, com a Farmácia Nossa Senhora das Graças, com atendimento população araguaiense, aos longos da década de 50 até 80.

No ramo de materiais para construção, a Casa Silva, do proprietário Manuel Silva.

Destacando no entretenimento da época, Boate do senhor “Pires” na década de 50 e logo depois se transformou Boate do Hélio. Outros points da cidade era Praia Bar, dos proprietários José do Carmo, o “Zézão”, e sua esposa dona Alzerina, isso até a década de 90, sorveterias do Valdo Baiano e do senhor Altino Reis.

A Casa Oliveira, na década de 50 comercializava, com muitos comércios, de “tudo um pouco”. Seu proprietário era Domiciano Alves de Oliveira.

O Posto de Combustível o “3333”, do seu João Português e seu sucessor seu Antônio de Abreu na década de 50 e logo depois o Posto de combustível, Bonfim, do senhor Izenel Bonfim, na década de 60.

A Loja da Mangueira, da família do seu Carlos Hugueney foi um dos comércios que contribuíram para o crescimento de Alto Araguaia. A loja que vendia de “tudo um pouco” funcionou até 1960, no local, hoje é o Bistrô.

João Batista Zaider fundou a loja “Casa Nova” um dos principais comércios de Alto Araguaia, ainda nos anos 60. E também as sapatarias do senhor Joao 2º e seu Itamar.

Casa Popular início suas atividades comerciais, tendo como proprietário o coronel Oldino Rodrigues Lima e seu Vander Rabello, que funcionou até os anos 90, hoje no seu local funcionam a Panificadora Caseirinho.

No ramo de panificação, a panificadora do seu Nero, na década de cinquenta, como a primeira panificadora de Alto Araguaia e logo depois panificadora do seu João Fraga, no período da década de 60.

O casal Olívio Subtil e dona Manuela Subtil, proprietário de um bar e logo depois o Supermercado da Dona Manuela, na época funcionava atrás do INSS. O bar funcionou até a década de 60 e o supermercado até a década de 90.

O casal de nordestinos, João Bosco Alves de Carvalho e sua esposa Espedita Torres de Carvalho, vieram para Mato Grosso na década de 60, Abrirão uma loja na Rua General Osório com o nome de Casa Katia, comercializando produtos trazidos de São Paulo e mantendo suas atividades comerciais por 30 anos em Alto Araguaia.

Outra categoria que comercializava diversos produtos era a empresa de Silvio Maia, o Armazém Maia que começou na década de 60 até década de 70, no mesmo ramo o Armazém de seu Agostinho de Almeida, na década de 60 e o Armazém Brandão, do proprietário Edson Brandão, iniciando suas atividades comerciais na década de 60.

A loja de calçados, tecidos em geral, conhecida como Loja Jamal, do proprietário o Jamal Mussa, no ano de 1968.

A Casa Carloni vendendo ferramentas em geral, na década de 70. Depois o proprietário Carlim Carloni muda a empresa para Cotrima, com uma nova atividade, revenda de trator e máquinas agrícolas, na década de 70 até 90. Na época de 70 foi uma época em que o município funcionava quatro revendas de tratores.

Comercial Agrícola de Valdir Antônio Nidermeir na década de 70, revendendo insumos agrícolas com o inicio de plantações na região.

Marizete Zaider Maia iniciou a sua atividade empresarial na sua empresa, a Loja Tia Aurora Modas, na década de 70, na época o comércio buscava as novidades nos grandes centros para Alto Araguaia.

Loja Imperatriz e Loja São Paulo, dos proprietários Cicero Macena e Gilberto Menezes, revendendo confecções em geral na década de 70.

O grupo Sary com suas atividades comerciais na década de 70 chegou a ser uma das maiores empregadoras no município, tinha como membros do grupo seu Sadi Rezende e seu Ary Rezende. O grupo funcionou onde hoje onde é o Araguaia Palace Hotel.

Essas são apenas algumas das muitas empresas que surgiram em Alto Araguaia e que contribuiu com o crescimento do município, e nós da ACEAIA temos o imenso prazer de relatar esses desbravadores que acreditaram na cidade e no seu desenvolvimento por meio do comércio local, relembramos alguns, mas, agradecemos a cada um que já tiveram ou tem o seu comércio em Alto Araguaia.

Dando sequencia a essa linha do tempo, a classe empresarial de Alto Araguaia logo é representada pela Associação Comercial Industrial e Prestação de Serviços – ACIPESA, na década de 80.

Com seu encerramento, os empresários ficaram anos sem representatividade no município.

Com isso, renasce uma nova representação da classe empresarial, a Associação Comercial e Empresarial de Alto Araguaia – ACEAIA, fundada em 21 de junho de 2017.

Sem mais, parabenizamos Alto Araguaia Pelos 80 anos de história e somos gratos por poder participar deste momento especial, estamos sempre dispostos, para juntos, trabalharmos em prol do desenvolvimento do nosso município.

Por Wilmar Erasmo

Ascom/Aceaia

ascomaceaia2018@gmail.com

IMG

// Você deve estar logado com seu perfil no Facebook para comentar. Este espaço visa promover um bom debate sobre o assunto tratado. Comentários com tons ofensivos, preconceituosos e que firam a ética e a moral podem ser excluídos.
Participe!