PERUCHI
Destaques

SEM RGA: Delegados de MT decidem parar investigações dia 31

FOTO HIPERNOTICIAS
FOTO HIPERNOTICIAS

Delegados de todo o Estado aprovaram por unanimidade greve geral a partir do dia 31 deste mês. Diante disso, está confirmada que todas as categorias que compõem a Polícia Civil paralisarão as atividades caso o governador, Pedro Taques, não decida voltar atrás e pagar a Revisão Geral Anual (RGA) aos servidores do Executivo.

Apesar da Legislação proibir os militares de realizarem greve, estes continuam apoiando a causa através da realização de Operação Padrão. De acordo com o Sindicado dos Trabalhadores da Polícia Civil (Siagespoc), as delegacias de Mato Grosso atenderão apenas flagrantes e as investigações, mesmo de casos mais graves, não ocorrerão durante a greve.

Presidente do Sindicato dos Delegados de Polícia de Mato Grosso (Sindepo), Wagner Bassi Junior informou que após muita discussão com a categoria, o posicionamento a favor da greve foi geral. “Os delegados estão revoltados com a decisão arbitrária do governador e estão irredutíveis quanto à realização da paralisação. Sendo assim, seguiremos com o Fórum Sindical e trabalharemos em sistema de escala, mantendo os 30% que exige a lei”.

Atualmente, estão ativos no Estado 278 delegados e estes se revezarão nos atendimentos nas delegacias. “O atendimento será apenas para casos de urgência, como as medidas protetivas e flagrantes. Demais casos, ficarão com as investigações paralisadas por tempo indeterminado”.

Doutor em Sociologia e especialista em violência urbana, Naldson Ramos da Costa diz que o cenário de violência no Estado pode ficar pior do que já está e o caos pode se instalar nas cidades mato-grossenses. “Com a notícia da paralisação da polícia, muitos criminosos podem se aproveitar da situação para cometer os crimes mais comuns, como roubos e tráfico de drogas. Consequentemente, a sensação de insegurança da sociedade será ainda maior”.

Porém, o especialista afirma que qualquer impacto negativo refletido na população não deve ser associado à polícia e sim ao Governo do Estado. Segundo Costa, reivindicar pela reposição salarial ou qualquer outra melhoria de trabalho é um direito do trabalhador e está garantido por lei. “Tudo de ruim que a população passar, seja na área de segurança pública, saúde, educação ou qualquer outra será por irresponsabilidade política do governador e isso a população também tem que entender”.

Naldson diz ainda que, como medida de segurança, a população já deve se preparar para um possível aumento da violência, caso a greve da segurança pública realmente aconteça.

 

ELAYNE MENDES
A Gazeta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
Fechar
Fechar