PERUCHI
Notícias

Temos que ficar atentos,Por Nelsoney da Costa Marques

Como vem sendo conduzido o processo de levantamento de possível construção de pequenas PCHAs em nossa região, não condiz com as normas ambientais. Temos que está atento na possível degradação relacionado com a vida em volta de qualquer empreendimento que venha ser construído, tanto na zona rural quanto na zona urbana.

O Estudo de Viabilidade Ambiental (EVA) deveria ser o primeiro trabalho desenvolvido antes de qualquer passo para o licenciamento ambiental. No entanto, sabemos que muitos profissionais e empresas já partem para os levantamentos de flora e fauna, mesmo com a incerteza de que o empreendimento poderá ser licenciado.

O grande problema, o Brasil é um país que pensa em curto prazo e não tem planejamento algum.
O grande problema, o Brasil é um país que pensa em curto prazo e não tem planejamento algum.

É de extrema importância que os profissionais tenham um olhar técnico para o ambiente objeto do licenciamento, já que nossas leis ambientais são muito brandas. Exemplo disso são as Áreas de Preservação Permanente (APP), locais onde a lei permite a construção de portos ou empreendimentos sociais, com a justificativa locacional ou de falta de área disponível.

Podemos destacar a Mata Atlântica, onde é possível licenciar moradias de veraneio, entre outros empreendimentos. Claro que para o licenciamento ocorrer estão envolvidos diversos fatores como os estágios de regeneração em que a vegetação apresenta presença de espécies ameaçadas de extinção ou endêmicas, entre outras questões.

Mas são por essas exceções que a nossa biodiversidade perde cada vez mais espaço. Exceções essas, que poderiam se dar no caso da construção da Usina na cachoeira Couto Magalhães, segundo estudos é umas das que menos causaria impacto em todos os aspectos se comparando as pequenas PCH. Não temos noção do que a construção de uma PCH pode trazer de danos à natureza e produzir pouca energia. 

O grande problema, o Brasil é um país que pensa em curto prazo e não tem planejamento algum. A prova disso está no aumento desenfreado do desmatamento e a falta de água em muitos estados. Será que os grandes governantes e uma boa parte da população não enxergam que um fator influência o outro?


Temos um trabalho de formiguinha pela frente e a ACENA, está engajada em melhorar as condições ambientais. De alguma forma, contando, claro, com a ajuda de parceiros e profissionais interessados.

Nelsoney da Costa marques: Diretor Presidente da ACENA.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Fechar
Fechar